O Primeiro-Ministro António Costa afirmou que a Cimeira para o Financiamento das Economias Africanas, na qual participou, em Paris, "excedeu as expectativas que todos tinham", e que os financiamentos poderão mesmo exceder os cem mil milhões de euros.

"Esta conferência centrou-se na procura de soluções concretas, reunindo líderes africanos e europeus". "Estivemos todos a trabalhar em conjunto para juntar os diferentes mecanismos de financiamento que cada um tem, para dar um impulso forte ao desenvolvimento africano", disse.

Na conferência, António Costa sublinhou que os interesses da Europa e da África nunca estiveram tão interligados e que «temos de transformar a resposta imediata à pandemia numa recuperação de longo prazo, criando entre os dois continentes uma dinâmica de prosperidade partilhada e sustentada».

Se Europa e África recuperarem da crise de forma assimétrica, crescerão ambos menos, ao passo que, em conjunto, crescerão mais, mais rapidamente e de forma mais sustentada, disse ainda. 

O Primeiro-Ministro reuniu-se, no final da cimeira, com o Presidente da República de Angola, João Lourenço, tendo anunciado que Portugal desbloqueou duas linhas de crédito para duas grandes obras em Angola, a circular de Lubango e a infraestrutura de Muxima.

"Além das linhas de crédito disponibilizadas no Soyo, foram agora aprovadas pelo Ministério das Finanças duas outras, uma para a circular do Lubango e outra para a infraestrutura de Muxima", disse António Costa, acrescentando que "todas as questões de crédito que estavam pendentes com Angola estão neste momento ultrapassadas e em condições de os investimentos poderem avançar".

Saiba mais em: https://www.portugal.gov.pt/pt/gc22/comunicacao/noticia?i=cimeira-para-financiar-recuperacao-das-economias-africanas-excedeu-as-expectativas

  • Partilhe